sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sexta-feira todas.

Eu costumava adorar sextas-feiras. Contava os dias para elas chegarem e as aulas da semana finalmente terem seu fim. Ultimamente não mais. Ultimamente, quando chega sexta-feira, a esperança construída durante o último fim de semana e que veio sendo arrancada de mim durante toda a semana, pétala por pétala, dia após dia, finalmente acaba. A esperança de que algo mudará, de que alguém vai me reconhecer através da Capa da Invisibilidade que pareço vestir todos os dias, contra a vontade.
Tem um ciclo estranho essa esperança. Ela começa quando saio de casa pra ir à faculdade, na segunda. Se conserva no ônibus, vai desvanecendo quando chego ao meu destino e aquela Capa ainda me cobre. No ônibus de volta o dia termina, uma pétala da esperança foi arrancada à força, mas ela ainda está lá. Danificada, mas lá. E o meu pensamento no fim do dia é: há sempre o dia de amanhã. E assim a semana passa. A mesma coisa se repete na terça, na quarta, na quinta e a esperança vai sendo desnudada.
E a temida sexta aparece. O sentimento exagerado ao sair de casa, é agora ou nunca. E como sempre o nunca prevalece sobre o agora. As aulas do dia acabam e a Capa da Invisibilidade ainda está lá. As outras pessoas deixam a sala de aula em um fluxo contínuo, apressadas para chegar aos seus destinos animados, onde irão se divertir, socializar, onde sua esperança talvez dê frutos. E eu não quero ir embora. Faço hora, observando as pessoas, procurando algo em que me segurar para não ter que cedo à casa retornar e não encontrar o que fazer ao chegar lá. Mas não há nada que me prenda, ninguém para me segurar. Então eu cedo, despenco e pego o ônibus em direção a um final de semana cheio de estudo e sem diversão, onde a esperança da semana seguinte será ressuscitada porque, como dizem, é sempre ela a última a morrer.

Nenhum comentário: