quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Se iludir é de graça.

Tipo hoje, logo depois que eu descobri que o que Mayr disse sobre o Quileute tava errado, a gente ficou em pé lá na frente do CAC, naquele jardinzinho que a gente senta e ele tava lá do outro lado do jardim. Não sei se tava me vendo, eu sei que eu tava vendo ele. E quando fomos embora e ele ficou lá, olhei pra trás, só pra vê-lo uma última vez no dia, e não o vi. O procurei com os olhos e vi que ele tava indo falar com a menina, que Mayr tava falando minutos antes, e minha imaginação já disparou, inventando motivos pra ele ter feito isso logo quando a gente saiu. Motivos como perguntar quem era aquela menina de blusa branca e trança.

Nenhum comentário: