terça-feira, 18 de setembro de 2012

Uma amizade preguiçosa


"Mas uma amizade sincera queria a sinceridade mais pura. À procura desta, eu começava a me sentir vazio."* 

É no mínimo estranho as duas palavras na mesma citação, e sem mostrar oposição. Amizade e vazio. Mas é possível que se sinta e viva as duas. Não sei se é o começo, no final ou só uma fase que passa. Até mesmo algumas fases, afinal, tudo é ciclo. O fato é que chega uma hora em que mesmo sabendo que a amizade é sincera e que o outro não tem culpa, é duro viver com o vazio. O vazio de dias sem uma palavra trocada, sem um encontro, sem saber o que foi que se fez no dia anterior, sem saber o que se pretende fazer. Tudo poderia se resolver tão facilmente: uma ligação sincera, uma visita. 
Não sei se é a preguiça dos dois lados. Pode também ser a espera pelo outro, a espera da tomada de atitude alheia.
E o tempo vai passando.
É mais difícil ainda nesse tempo de Facebook. É um tal de contato falsificado e muitas promessas, "a gente tem que marcar de se ver". 
Promessas não preenchem vazios, se o afetam de algum modo, deve ser aumentando-o. Sem contato, os lados permanecem "cheios apenas de amizade"*.
E o que se pode fazer quando nada se faz?
"O mais que podíamos fazer era o que fazíamos: saber que éramos amigos."*



*De Clarice Lispector, Uma amizade sincera.

Um comentário:

maryna moraes disse...

E o que se pode fazer quando nada se faz?
"O mais que podíamos fazer era o que fazíamos: saber que éramos amigos."*

porra, conseguisse fazer uma citação na hora certa! *-*
<3