segunda-feira, 8 de abril de 2013

A menina, a câmera e o guarda-roupa #15









 Vestido: Mainha Fez
Colar: emprestado da minha tia
Sapato: Arezzo (tem bem uns três anos)

Nesse momento minha cabeça está um emaranhado de sentimentos e ideias e suposições e tristezas e alegrias. A adolescência ainda deve estar em mim. Tenho uma vida maravilhosa: estudo na Universidade que todos querem, tenho casa, pais, família e amigos que amo, tenho um estágio, saio de vez em quando, fico em casa quando quero, não trabalho muito, não preciso sustentar família, posso juntar dinheiro pra viajar, enfim. Tudo o que eu desejaria e poderia pedir.

Mas, às vezes, me cai o sentimento que falta alguma coisa e a ansiedade me consome. Talvez pode ser até falta de problemas, como diria minha mãe. Está chegando o dia (que eu pensava e desejava que estivesse muito longe ainda) de acabar a faculdade e eu simplesmente não sei o que fazer. Meus planos de adiar isso por mais um ano parece que não vão vingar e eu vou ter que me redimir ao bom e velho TCC (que não tenho nem tema ainda, vale ressaltar). Mas isso é o de menos. O de mais é o que eu vou fazer quando acabar a faculdade. Não quero morrer de trabalhar, nem quero morrer de tédio fazendo uma coisa que não tenho vontade, mesmo que o dinheiro seja bom. Minha vontade mais urgente é mesmo abrir uma barraca de sucos em uma praia na Austrália e viver entre os surfistas de bem com a vida e com a natureza, fechando o negócio às 18h pra ainda dar tempo de dar um mergulho no mar.

Mas, ao mesmo tempo, eu sei o que eu quero, apesar de saber que não existe aqui perto de mim. O estranho é perceber que isso não me deixa pra baixo. A história de uma pessoa a milhares de quilômetros de mim me fez perceber que tudo chega, você pode ser o que quiser se persistir naquilo em que acredita. Vendo que Carrie conseguiu o que tanto sonhou depois de ficar muito tempo em um limbo, sem esperanças e sem saber o que fazer, me faz perceber que, mesmo que eu não veja agora, tudo o que eu quero pode estar muito perto de mim. E mesmo que esteja longe, se eu esticar o braço com toda a força e a vontade que eu tenho, posso alcançá-lo eventualmente.

Nenhum comentário: